terça-feira, 4 de junho de 2013

Os dois lados.

Formatura. Vestibular. Natal. Fim de ano. Férias. Carnaval. Começo de faculdade. Páscoa. Dia das mães. Cinema. Parque. Sorveteria. Conversas olho no olho. Colo. Abraço...
-Tudo têm dois lados - me disseram uma vez. Pra cada coisa que você faz, você desiste de uma outra. 

Assim que eu tirei meus pés do chão brasileiro, no meio de reflexões bipolares, lembrei de tudo que eu estava deixando pra trás. Em poucos segundos, tudo aquilo que antes era normal e pacato parecia tão atraente! Antes de fazer o intercâmbio, antes mesmo de realmente tomar a decisão, pensei se realmente valeria a pena. Afinal, deixar tudo, família, amigos e hábitos por um ano seria realmente melhor que seguir em frente num caminho que já estava quase todo traçado?
Termino o ensino médio, formo com meus amigos de anos, entro na faculdade, me esforço lá, conheço gente diferente, aprendo muito, três ou quatro anos depois arrumo um emprego pra chamar de meu, termino a faculdade, mais uns anos pra uma boa independência... Esse é o plano clássico da maioria das pessoas que eu conheço.  Era o meu plano há uns quatro anos atrás, quando sem nenhum problema, ignorava as outras possibilidades a minha volta. 
Não me lembro de quando comecei a pensar em fazer um intercâmbio. Me lembro de querer morar em outro país, conhecer gente diferente. Viajar muito. Na minha escola eu tinha uma colega que era modelo, e quando vi ela largar tudo e ir correr atrás do sonho dela, pensei: E aquela historia de viajar Karla? Como a gente resolve isso?
Um tempo depois, já com a ideia da viagem mais clara na cabeça, um certo incentivador me disse "Não desiste dessa história não, você vai gostar de um intercâmbio, aposto que em dois anos você vai estar fazendo um."

Dois anos se passaram. Eu embarquei num intercâmbio de dez meses. Eu estou a quinze dias de terminá-lo.

Nas minhas primeiras semanas aqui, ainda super conectada com o Brasil, eu olhava tudo de longe, com uma certa angustia da distância, "queria estar lá" ou "queria que eles estivessem aqui" viraram quase meu lema. Com o tempo fui vivendo mais a minha "nova vida", e num piscar dos olhos, vi esse tempo voar, e eu sem ter o que fazer, voei junto, vivendo dez meses que lembrarei como um sonho bom, um sonho em que eu pude acordar no meio e ir vivê-lo.

Nesses últimos dias, o clima de "ultima vez" está marcado em tudo. A sensibilidade que eu fiquei exposta no começo, deu as caras novamente. Porque agora, é o lado de cá que eu vou deixar pra trás. São os novos amigos, que com paciência me esperaram terminar uma frase, que com gentileza me ajudaram a entender o que não fazia sentido e que com tolerância (maior do que a nossa) aceitaram a brasileira que de extrovertida e festeira não tem nada. É o lado de cá, a família de cá que vou dizer "à bientôt", até logo! São eles que vão me deixar saudade, é neles que vou chorar e ficar triste pensando "queria estar lá" ou "queria que eles estivessem aqui", são os meus pequenos hábitos do lado de cá, que vou sentir falta do lado de lá.

Quando se conhece só um lado, só uma perspectiva, só uma opção não há complicação. Tudo é simples, é fácil. Quando o leque se abre, você conhece o melhor, você sabe que tem muitas opções, que pode ser uma porção de coisas, ir á muitos lugares, se desafiar mil vezes, conhecer todas as culturas...mas aí você descobre que nunca vai poder ter os dois, três...mil lados juntos. Você é só uma pessoa, só vai poder abraçar um lado, e vai ter que abrir mão de todos os outros.

Agora eu sou a Karla do Brasil e da França, com uma família no Brasil e na França e com amigos do Brasil e da França. Nunca vou poder reunir os dois lados juntos. Nunca vou poder ter o melhor ao mesmo tempo. E de hoje em diante, vou procurar todos os outros lados, vou aumentar minha lista do que sentir saudade, muito provavelmente vou sofrer ainda mais, porém vou experimentar novamente o melhor: aquela sensação de liberdade e descoberta que eu senti aqui e que ainda quero sentir muitas e muitas vezes. É esse o melhor lado da vida.

4 comentários:

  1. Entendo q voce agora está num dilema:França ou Brasil, franceses ou brasileiros... exatamente como quando voce estava se preparando p partir daqui e chegou ai,ficou apreensiva,depresiva,c saudades do Brasil,até q acostumou c a nova patria...
    Agora o dilema é o mesmo so q pela França, não querendo deixar sua otima e abençoada familia francesa, quem sabe um dia poderemos nos reunir sim, quem sabe um dia eles vem passar umas férias no Brasil e é claro vão ficar hospedados em nossa casa, quem sabe quando a linda Tonya puder fazer um intercambio,escolha o Brasil e venha ficar aqui conosco...
    Enfinsss só sei que voce ganhou muito fazendo seu intercambio na França,ganhou em conhecimentos,cultura,viagens,turismo,amizade, o dificil vai ser deixar tudo isso p trás não é mesmo???
    Faltam poucos dias, aproveite bastante seus proximos dias ai, q vão ser mesmo de despedidas...
    Mas felizmente p nós, voce esta voltando p o nosso Brasil... te aguardamos ansiosossss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, amo os dois lados!!! Vai ser difícil demais!!

      Excluir
  2. Que texto lindo, Karla. Acompanhei o seu intercambio desde o início e entendo bem o que você diz. Espero que você consiga mesmo descobri todos esses lados. Te desejo toda a sorte do mundo! Bjs :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Andressa! Eu sei mesmo que você me acompanhou desde o começo!! Muito obrigada por tudo!!! Sorte pra você também!! Beijos!!

      Excluir